segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

TAG: No país das maravilhas



      
    

Alice: um livro que te fez cair em um mundo completamente diferente.







O mundo distópico dividido entre os vermelhos e os prateados me fez viajar pra um mundo surreal e um tanto deprê, as diferenças entre a realidade paupérrima dos vermelhos e a riqueza obcena dos prateados era meio chocante de constatar.
Não vejo a hora de ler a continuação.





            

Chapeleiro Maluco: um livro com um protagonista louco.








Téo, nosso querido psicopata obcecado pela pobre Clarice!
Criaturinha macabra e doida criada pelo gênio brasileiro do terror, Raphael Montes.






           

 Coelho Branco: um livro que atrasou suas leituras.





Pra mim foi muito difícil entrar na história por um simples motivo, são 21 personagens no início e todos com nomes japoneses do tipo Yumiko, Yukiko, Yutaka, Yukie, Yuka...impossível não ficar perdida! Tinha que ficar voltando para a lista de nomes o tempo todo, pois nem conseguia lembrar se estava lendo sobre um personagem feminino ou masculino, de tão perdida que fiquei.
Este livro estava me atrasando tanto que está em recesso na minha estante por hora.





        

Gato risonho: um livro que te fez rir muito.







Ok, sei que é meio repetitivo e chato ficar falando sempre dos mesmos livros, mas nenhuma autora me arrancou tantos risos e sorrisos quando Carina Rissi.






            

Lagarta azul: um livro que fez você refletir.






Nenhum livro me tocou tanto quanto este na vida.
O drama de Will me fez questionar o valor da vida, o quão preciosos são simples momentos ao lado de quem amamos e entender melhor a sutil diferença entre realmente viver  ou simplesmente estar vivo.





     

Tweedledee e Tweedledum: dois livros que são parecidos.







A outra volta do parafuso e A casa assombrada

Ambos são histórias de fantasmas com uma trama bem semelhante, uma governanta tendo que ir cuidar de duas crianças em um lugar bem sombrio e misterioso. Parece clichê, mas os dois livros são maravilhosos!





       

   Rainha de Copas: um livro cujo autor adora matar personagens.






Morrem tantos personagens durante a trilogia que cheguei a ficar um pouco perdida em alguns momentos, tipo “perai, mas este aí não morreu? Ahh não, foi o irmão dele que explodiu!”. kkk


Amei responder esta Tag fofa que tem tudo a ver com o blog!

Espero que vocês tenham curtido minhas escolhas! ♥

Beijinhos,


Alice

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Resenha: A Sereia - Kiera Cass

Seguinte ♥ 328 páginas ♥ 2016

No ano de 1933, Kahlen, uma garota de 19 anos, viu sua família morrer graças ao canto de três Sereias que mandadas pela água, fizeram o navio em que ela viajava com seus pais naufragar.

No desespero do afogamento, Kahlen implora por sua vida, e a Água, ouvindo sua súplica, lhe oferece a vida de Sereia, que a garota aceita sem pensar muito a respeito.

No acordo, a Água impõe que A Sereia deve obedecê-la e ser sua “serva” durante 100 anos.

Neste tempo, toda vez que a Água precisar se alimentar de vidas, as Sereias devem cantar para atrair as pessoas ao inevitável afogamento.




Depois dos 100 anos servidos a Água, a Sereia terá sua vida de volta, esquecendo completamente os anos em que viveu a serviço da água.

Kahlen já cumpriu 80 anos de serviço a Água.

Durante todos estes anos sem envelhecer, a garota não consegue se acostumar com a vida que leva junto às suas três irmãs Sereias, e sofre com o fato de ter que ceifar vidas para a Água.

Kahlen é uma Sereia obediente e tem uma empatia muito grande com a Água apesar de sofrer com seu trabalho, mas nunca deixou de desejar poder ter uma vida normal e principalmente, poder amar e ser amada.


Como as Sereias devem total devoção a Água, são proibidas de se apaixonar. Mas o amor não é uma escolha, e ao conhecer o jovem Akinli, Kahlen terá de fazer escolhas que mudarão sua vida de forma irreversível.

Como se afastar do garoto que pela primeira vez em 80 anos a fez se sentir viva e amada?
Mas por outro lado, de que adianta tentar ficar com ele se dali 20 anos ela o esqueceria ao completar 100 anos sendo Sereia?

Será que a Água perdoaria a traição de Kahlen ter se apaixonado?



As Sereias são provavelmente os seres mitológicos que eu mais amo.

Kiera Cass conseguiu me transportar para um cenário mágico, onde rapidamente fui envolvida por um mundo de fantasia onde a Água é um ser pensante e que age por impulsos muitas vezes irracionais, mas tem que aprender a lidar com os sentimentos humanos que as Sereias carregam de suas vidas antes da transformação.

Ver a interação Sereias/ Água foi a parte mais interessante do livro, e uma forma única que eu nunca tinha visto de abordar esta lenda mitológica.

Gostei muito da protagonista da história, mas todas as Sereias me conquistaram cada uma com sua personalidade peculiar, todas tão diferentes e mesmo assim tão unidas.

Kiera Cass mostra mais uma vez seu incrível dom de escrever histórias cativantes, não queria largar o livro e ao mesmo tempo sofria por ele estar chegando ao fim.

Um ponto super positivo para mim foi que é um livro único, o que hoje em dia tem sido cada vez mais difícil de encontrar.

A edição está linda e fiquei apaixonada por esta capa!


Se você gosta de romances com uma pegada grande de fantasia, se joga nesta leitura que provavelmente irá curtir muito!

Beijinhos,

Alice

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

TAG: Folia Literária

Oi, gente!!

Como foram de carnaval? Muito agito? Colocaram as leituras em dia?

Vi esta Tag no canal “Ler antes de morrer” e achei-a muito bacana e bem temática para a terça de carnaval, espero que vocês gostem!




Confete e serpentina: Um livro que te deixou alegre, ou que te fez rir.


PS: Ainda amo você

Este livro chegou aqui em casa semana passada e foi logo furando a fila de leitura, eu tinha gostado muito do primeiro livro “Para todos os garotos que já amei” e queria saber logo como seria o final desta história!

Terminei a leitura com um sorriso no rosto e vontade de que a trama não tivesse chegado ao fim. É muito lindinho!










Bloco literário: uma série que todos os volumes foram bons.

Jogos Vorazes

É uma trilogia, mas está valendo como série, né!?

Amei os três livros, vejo muita gente comentando que não curtiu muito o segundo, mas eu não me decepcionei em nenhum momento, sou apaixonada pelos três!




Sambódromo: o melhor livro do seu gênero preferido.


Ten tiny Breaths

Meu gênero favorito é romance, e o tipo de romance que eu mais amo na vida são os dramáticos, daqueles com reviravoltas realmente inesperadas que te deixam com o coração na mão e o queixo caído, sabe? Pois bem, este livro é disparado o que mais me deixou assim na vida!

Rezo para os Deuses iluminarem a cabeça da galera das editoras brasileiras para “peloamor” lança-lo em português! Não conheço ninguém que já o tenha lido para eu poder dividir meu amor e minhas angústias sobre a história, e isso é muito triste (viu, falei que eu adoro um drama kkk)! ;)






Trio elétrico: um livro tão bom que te fez virar a noite lendo.



Mentirosos

Eu sei, este livro sempre acaba aparecendo aqui nas tags ou listas de favoritos, mas não posso evitar, varei a noite INTEIRA lendo-o, parei só quando ele acabou, e quem é que diz que eu conseguia dormir depois? Sensacional, baita leitura!

A resenha dele foi uma das primeiras que fiz aqui no blog, se quiser saber mais clica aqui!









Frevo literário: o melhor livro que você leu nos últimos tempos.



A voz do Arqueiro

Foi uma das minhas últimas leituras de 2015 e certamente uma grata surpresa, não esperava muito dele e fiquei apaixonada!

Enredo que a princípio parece que será mais do mesmo e acaba te conquistando já nas primeiras páginas com personagens cativantes e muito bem escritos!

Se você ainda não conferiu, tem resenha dele aqui!









E estas são minhas escolhas, me contem aí se curtiram minhas respostas caso já tenham lido eles!

Beijinhos,


Alice

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

4 documentários incríveis para assistir na Netflix

Oi, gente!

Nos últimos meses comecei a me interessar mais por documentários, meio por acaso assisti um, depois outro, e acabei realmente pegando gosto por eles.

Temos várias opções diferentes deles na Netflix, e achei bacana vir aqui dar a dica de alguns dos que eu mais gostei para vocês.


Blood Brother – este documentário é de longe uma das coisas mais avassaladoramente tocantes que vi nos últimos tempos.


Rocky é um garoto americano que durante uma viagem à Índia encontra um propósito para sua vida que até então era meio sem sentido, ele resolve morar lá e trabalhar com um grupo de crianças órfãs portadoras de HIV.


A série de obstáculos e superações que ele precisa enfrentar é chocante, é uma realidade tão sofrida e tão diferente do que se quer podemos imaginar que até hoje ainda não consegui digerir tudo que vi no documentário.




É bom pra dar um choque de realidade quando reclamamos tanto da vida que levamos, sabe? Foi um tapa na cara pra mim que me fez ver o quão privilegiada minha vida é.






The Hunting Ground – Você já assistiu filmes americanos que mostram a vida maravilhosa dos estudantes em alguma universidade incrível e ficou sonhando em um dia estudar lá?

Pois neste documentário conhecemos um lado assustador destas universidades que eu não fazia ideia, o número de ataques sexuais dentro do campus de renomadas faculdades é perturbador, e o fato de isto ser encoberto por seus dirigentes e funcionários é ainda pior.











Twinsters – já pensou se você está um dia de bobeira assistido um vídeo na internet e da de cara com alguém idêntico a você? Pois bem, foi exatamente isto que aconteceu com Anäis, uma garota francesa que na internet descobriu que tinha uma irmã gêmea, Samantha que vive nos EUA.



O encontro das duas é lindo e a busca por respostas sobre o passado delas é emocionante!








Amy – Entrevistas com amigos e vídeos pessoais da cantora mostram um pouco de como foi a incrível jornada que a levou ao sucesso e posteriormente a sua trágica morte.

Amy concorre este ano ao Oscar de melhor documentário, e é uma bela dica assisti-lo antes da premiação que acontecerá dia 28 de fevereiro de 2016.








Gostaram das dicas?

Se você assistiu algum outro documentário incrível me conte aí, vou adorar a dica!

Beijinhos,


Alice