domingo, 31 de janeiro de 2016

Resenha: Uma curva no tempo - Dani Atkins

Editora Arqueiro ♥ 240 páginas ♥ 2015
Comprei “Uma curva no tempo” há quase um ano atrás, e confesso que o livro me chamou a atenção mais pela capa do que pela sinopse, provavelmente este foi o motivo dele ter ficado tanto tempo encostado na estante.

No final de Dezembro comecei a ler vários comentários muito bacanas sobre ele de amigos que tem o gosto literário parecido com o meu, e isso foi o suficiente para me encher de curiosidade e eu pegá-lo logo para ler.

A história é contada por Rachel, uma garota que está prestes a se formar no colegial e teme o momento em que terá que se separar de seus 6 melhores amigos, Sarah, Jimmy, Cathy, Phil, Trevor e Matt, que também é seu namorado.

Os sete se encontram para um tipo de jantar de despedida, e é nesta fatídica noite que um terrível acidente acontece e Jimmy, amigo mais antigo de Rachel, morre ao salvá-la.

Além da trágica perda de seu melhor amigo, o acidente deixou também cicatrizes profundas em Rachel, que teve que aprender a viver uma vida muito diferente do que tinha sonhado, trabalhando como secretária, sem muitos amigos e lutando junto com seu pai contra um câncer que ameaça a vida dele.

Os 6 amigos se afastaram, e agora, 5 anos após o acidente, Rachel irá reencontrá-los no casamento de Sarah, o que desperta sentimentos que a tempos Rachel tentava ignorar.

De volta a sua cidade natal para o casamento da amiga, Rachel tem de lidar com suas dores e com as escolhas que fez depois do acidente, mas encarar a realidade acaba sendo mais difícil do que ela imaginava e durante uma visita ao túmulo de Jimmy, Rachel tem uma forte dor de cabeça e cai desacordada.

Quando volta a si, o choque do que a espera é apavorante.
Os últimos 5 anos de sua vida foram completamente apagados e a realidade foi completamente alterada. Seu pai está mais saudável do que nunca, Matt continua sendo seu namorado, aliás, noivo e o mais assustador de tudo é...Jimmy está vivo!



Acompanhamos então a luta de Rachel para tentar entender o incompreensível, ao mesmo tempo em que a atual realidade se mostra tudo que ela sempre quis, ela não pode aceitar que os últimos 5 anos não tenham acontecido.

Qual será a verdadeira realidade, a vida de sofrimentos que ela tinha finalmente aceitado, ou esta nova e melhorada versão, onde todos são mais felizes ela tem até mesmo a chance de fazer novas escolhas?

Fiquei muito curiosa durante a leitura, Rachel tenta a todo custo levantar fatos e provas de que vivia outra vida, a busca por respostas faz o leitor não querer largar o livro.

Nos últimos capítulos eu já estava montando o quebra cabeça do que tinha realmente acontecido, mas matar a charada não fez o final da leitura ser menos impactante.

A trama é dividida em 13 capítulos que apesar de serem um pouco longos,não atrapalham a leitura que fluiu bem e não é cansativa.

Como já disse antes, fiquei apaixonada pela edição do livro, a capa é encantadora e as páginas são amareladas, o que é sempre um ponto positivo.

Gosto de livros bem dramáticos e embora “Uma curva no tempo” se encaixe muito bem nesta categoria, não conseguiu tocar meu coração. Vou explicar: o enredo é bom, prendeu a minha atenção, conseguiu me convencer e me deixar curiosa, mas não criei empatia suficiente com os personagens a ponto de sofrer por eles, sabe? Não chorei, o que é raro, já que tinham me avisado para preparar os lencinhos, isto mostra que o livro realmente não me tocou o suficiente.

Mesmo assim, foi uma leitura ok, só um pouco morna no final das contas.


Me conta aí se você já leu “Uma curva no tempo” e, se sim, o que você achou!

Beijinhos,

Alice

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Vale a pena assistir: A Visita

A Visita (The Visit)

Direção: M. Night Shyamalan
Gênero: Terror
Distribuidora: Universal Pictures
Duração: 94 min

M Night Shyamalan é o Diretor de dois filmes assustadores que eu sou muito fã, “O sexto sentido” e “Sinais”, mas ultimamente ele não vinha acertando muito a mão em suas produções que não fizeram muito sucesso com o público e muito menos com a crítica (“Fim dos tempos” e “O último mestre do ar” são bons exemplos disto).

Mas aí, um belo dia, vejo o trailer de A Visita que me deixou bem curiosa com o enredo, parecia uma pegada meio “João e Maria assustadora” e quando resolvo dar uma chance para o filme levo uma baita surpresa positiva!

O filme nos trás a história de dois irmãos, Becca e Tyler, que pela primeira vez na vida vão encontrar seus avós, já que depois de um desentendimento na juventude, a mãe das crianças nunca mais tinha tido contato com os pais.

As crianças partem então para a fazenda de seus avós, onde passarão uma semana de férias.



Becca, a irmã mais velha, sonha em ser uma grande cineasta no futuro e vê nesta visita uma chance de fazer um documentário sobre seus avós e quem sabe assim, até conseguir com que sua mãe e eles façam as pazes.

Eles são muito bem recebidos por seus avós que parecem estar muito felizes com sua chegada e querem fazer de tudo para agradá-los.

Os dois velhinhos são muito atenciosos com as crianças, mas como um único pedido, avisam para eles não saírem de seu quarto depois das 21h, o que obviamente desperta a curiosidade das crianças que logo quebram esta regra.

Logo eles descobrem um outro lado um tanto sinistro dos velhinhos, e o comportamento dos avós vai ficando mais assustador a cada noite que passa.


O clima de tensão durante todo o filme é perturbador, roí todas as minhas unhas e levei uns bons sustos com os “jump scares” muito bem inseridos pelo diretor.

Existem algumas cenas cômicas de humor negro que ajudam a relaxar um pouco e que conseguiram me tirar umas boas risadas, mas sem influenciar demais no clima tenso perigando perder a atmosfera de pavor.

A atuação dos quatro atores principais é maravilhosa, tanto as crianças quanto os velhinhos convencem em seus papéis (uma atenção especial para o ator mirim que interpreta Tyler, ele é sensacional).


A Visita é um terror psicológico que assusta muito mais do que a maioria de filmes de monstros do momento, recomendadíssimo por esta super fã do gênero que vos fala! ;)



Beijinhos e bons sustos,


Alice

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Resenha: A voz do Arqueiro - Mia Sheridan

Titulo Nacional: A Voz do Arqueiro 
Titulo Original: Archer’s Voice
Autora: Mia Sheridan
Editora: Arqueiro
Ano: 2015
Série: Signos do Amor
Volume: 04
Número de páginas: 325
Tradução: Ana Rodrigues

Sinopse: Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Baseado na mitologia de Sagitário, A voz do arqueiro é uma história sobre o poder transformador do amor.
Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar. Quando chega à pequena Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar. Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de uma mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória de um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda. Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar. 
Depois de perder seu pai de forma violenta e ter que lutar sozinha com este trauma que tira seu sono, Bree Prescott resolve fugir.
Foge de sua vida, de sua cidade, de seus amigos, pensando que assim, conseguirá fugir também dos pesadelos que a atormentam.
Chegando em Pelion, uma cidade no Maine onde ela acredita ter chances de recomeçar sua vida, Bree literalmente tropeça em Archer Hale.
Archer é um tipo de eremita da cidade, vive isolado de todos e faz questão de exibir sua cara de não se aproxime, com sua barba e cabelos enormes e desgrenhados e roupas maltrapilhas.
Mesmo com todas estas barreiras de defesa erguidas, Archer desperta uma incrível curiosidade em Bree, que faz de tudo para conhecer um pouco mais este cara misterioso.
Aos poucos, Bree vai descobrindo que Archer tem muitos motivos para ser esta pessoa reclusa e introspectiva, seu passado é marcado por uma grande tragédia que lhe deixou marcas muito profundas, e lhe tirou a voz. Sim, Archer Hale é mudo.
Após algumas tentativas de aproximação um pouco falhas, Bree vai conseguindo entrar no mundo de Archer, e aí minha gente, é inevitável se apaixonar por ele!
Archer tem uma inocência linda de se descobrir, o fato de ter tido muito pouco contato com as pessoas desde o acidente que lhe tirou a voz, faz ele muitas vezes agir por impulso e de forma imatura, não sabendo direito o que fazer, como se portar, e mesmo depois que ele descobre como se comunicar com Bree, tudo para ele é uma novidade, Bree irá abrir as portas de um mundo que Archer nunca achou ser possível de enfrentar, e no meio destas descobertas, ele conhecerá o amor.
Os dois começam então a viver um romance lindo e puro, encontram no outro a força que lhes faltava para superar obstáculos e enfrentar seus medos, mas ao mesmo tempo em que vai se abrindo para esta nova vida, Archer começa a perceber que o que ele tem a oferecer para Bree pode não ser o suficiente.
Será que as feridas de seu passado algum dia cicatrizarão? Será que existe como superá-las?
Archer é possivelmente o personagem masculino mais encantador e apaixonante que já “conheci” nos últimos tempo, ele passou por tanta tristeza, um abandono tão grande e cruel e mesmo assim encara a vida com muita pureza, sem rancor, sem sentimentos de vingança.
A evolução dele como pessoa durante a leitura é emocionante, impossível não se sentir tocado de alguma forma.
Bree também é uma personagem forte, sua força de vontade é invejável, vê-la ajudando Archer a enfrentar suas limitações e no processo ir superando seus próprios medos é muito bacana.
“Acho que amor é um conceito, e cada pessoa tem uma palavra única para descrever em que o sentimento se resume para ela. A minha palavra para amor é Bree. Eu Bree você.”
A narrativa do livro é em primeira pessoa intercalada entre Bree e Archer, enquanto ela nos conta a história no presente, Archer vai nos mostrando um pouco mais sobre ele narrando em alguns capítulos toda a tragédia de seu passado.
A leitura flui maravilhosamente bem, a escrita da autora consegue manter o ritmo do inicio ao fim, abordando temas pesados de maneira leve.
Não tenha medo por achar que é um livro que vá pender para o erotismo em excesso, as cenas mais picantes são muito bem inseridas no contexto e tem um motivo para acontecer.
A edição do livro está muito linda e não vejo a hora de ler os outros livros da série.

Recomendo A voz do Arqueiro para todos que gostam de um bom romance com um enredo bem original, a história de superação de Archer e Bree fizeram este ser um dos meus livros favoritos de 2015.
Beijinhos,

Alice

domingo, 17 de janeiro de 2016

Estreias cinematográficas mais aguardadas por mim em 2016!

Oi, gente!

Mês de janeiro, está na hora de fazer a listinha dos filmes mais aguardados do ano!

Porém, como sou uma cinéfila assumidíssima, minha lista ficou ENORME, então resolvi dividi-la em duas partes, direi agora minha “wishlist cinematográfica” do primeiro semestre e deixo para postar o resto lá na metade do ano, ok!?

Pega o balde de pipoca e da uma olhadinha:

A 5ª Onda – janeiro 2016

Ainda não li o livro, mas depois que vi o trailer fiquei muito animada com esta estreia, adoro filmes pós-apocalípticos! Kkkk


Sinopse: A trama acompanha uma série de ataques alienígenas na Terra. Na primeira onda de ataques, um pulso eletromagnético retira a eletricidade do planeta. Na segunda onda, um tsnunami gigantesco mata 40% da população. Na terceira onda, os pássaros passam a transmitir um vírus que mata 97% dos resistentes. Na quarta onda, a adolescente Cassie Sullivan está sozinha e vai ter que descobrir em quem pode confiar.




Deadpool – Fevereiro 2016

Não conhecia muito sobre a história do Deadpool, mas o trabalho de divulgação do filme foi tão bem feito e divertido que me conquistou.

Ps: obviamente o fato de o ator principal ser o Ryan Reynolds, ajudou bastante!



Sinopse: Baseado no anti-herói não convencional da Marvel Comics, ‘Deadpool‘ conta a história da origem do ex-agente das Forças Especiais que se tornou o mercenário Wade Wilson. Depois de ser submetido a um desonesto experimento que o deixa com poderes de cura acelerada, Wade adota o alter ego de Deadpool. Armado com suas novas habilidades e um senso de humor negro e distorcido,Deadpool persegue o homem que quase destruiu sua vida.


Capitão América: Guerra civil – Abril 2016

Eu estou adorando esta nova onda de filmes da Marvel, através deles comecei a me interessar muito mais pelo universo dos comics e pude também criar “laços” com alguns personagens, sendo o Homem de Ferro o meu preferido.

Já da pra saber de que lado vou ficar nesta guerra, né?

Sinopse: Steve Rogers (Chris Evans) é o atual líder dos Vingadores, super-grupo de heróis formado por Viúva Negra (Scarlett Johansson), Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), Visão (Paul Bettany), Falcão (Anthony Mackie) e Máquina de Combate (Don Cheadle). O ataque de Ultron fez com que os políticos buscassem algum meio de controlar os super-heróis, já que seus atos afetam toda a humanidade. Tal decisão coloca o Capitão América em rota de colisão com Tony Stark (Robert Downey Jr.), o Homem de Ferro.


Alice através do espelho – Maio 2016

Fica meio obvio o fato de que eu amo Alice no país das maravilhas, né?
Não vejo a hora de encontrar minha “xará” nas telonas novamente junto do maravilhoso chapeleiro Depp.

Sinopse: Continuação de ‘Alice no País das Maravilhas‘ (2010), “Alice através do Espelho”  terá como base o segundo livro de Lewis Carroll, “Alice através do espelho e o que ela encontrou por lá”.
Alice atravessa para o outro lado do espelho e lá encontra um mundo diferente, com muitos conceitos invertidos e acontecimentos imprevisíveis, tendo como tema o jogo de xadrez. Na história, ela descobre um estranho mundo construído como um tabuleiro de xadrez, com peças brancas e vermelhas.


Invocação do mal 2 – Junho 2016

Obaaaa, um terror na lista!
Invocação do mal foi o último filme de terror que realmente me assustou, então estou muuuito animada com este segundo filme, esperando dar muitos pulos da cadeira!

Sinopse: A trama acompanha uma ocorrência paranormal que se passou nos anos 1970 em Enfield, Inglaterra, e foi centrado em duas irmãs supostamente possuídas. Lorraine, investigadora paranormal real vivida por Farmiga, afirmou que viu as jovens levitarem e até testemunhou quando uma delas se desmaterializou. A garota foi encontrada 20 minutos depois em uma grande caixa de fusíveis, com seu corpo retorcido de tal forma que não era possível reproduzir a posição.
Warren ainda disse que o demônio falou diretamente com ela e seu marido, Ed, em várias ocasiões. Ela descreveu esta como uma das experiências mais aterrorizantes de sua carreira.

Como Eu era antes de Você – Junho 2016

E por fim, aqui está, o lançamento mais aguardado do semestre!
Como Eu era antes de Você é um dos meus livros favoritos da VIDA, e desde o momento que eu soube que viraria filme fiquei muito empolgada!

Agora, pega esta empolgação e adiciona o fato de que o ator que viverá Will nas telonas é o incrível e muito amado por mim, Sam Claflin.

Conseguiu ter uma ideia do quanto estou ansiosa?
Espero com todas as minhas forças que não adiem novamente a data de estreia, meu pobre coração não aguenta mais esperar!


Sinopse: Adaptação do livro de escritoria britânca Jojo Moyes, o filme traz Sam Claflin como Will Traynor e Emilia Clarke como Louisa Clark, casal protagonista da história. Aos 26 anos, Louisa não têm muitas ambições. Mas sua vida muda quando passa a cuidar de Will, de 35 anos, tetraplégico após um acidente de moto. A vida de ambos é transformada por meio desse contato.









Agora me conta aí, quais são os filmes que você mais está ansioso (a) para assistir este semestre?

Beijinhos,
Alice




terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Resenha: Destinado - Carina Rissi

Verus Editora ♥ 462 paginas ♥ 2015
Oi, gente!

Depois de uns dias sumida por aqui graças a uma gripe de verão, estou de volta com uma das leituras que eu mais curti no final de 2015.


Já vou avisando que se você ainda não leu os dois primeiros livros Perdida e Encontrada, a resenha poderá te dar alguns spoilers dos livros anteriores.

Em Destinado, encontramos Ian e Sofia curtindo seu tão esperado “felizes para sempre” ao lado de sua fofuríssima filhinha, Marina.

Elisa está completando 17 anos e para celebrar seu aniversário, está acontecendo um grande baile de comemoração na mansão dos Clarke.


Como nem tudo poderiam ser somente rosas acontece algumas confusões no baile de Elisa, sendo que a maior dela é o surgimento do tão temido...celular!

Sim, os piores pesadelos de Ian voltam a atormentá-lo quando ele encontra o celular/máquina do tempo tocando em seu criado mudo.

Tentando a todo custo proteger Sofia e sua família, Ian esconde o celular até que consiga pensar no que fazer com ele, mas Elisa acaba encontrando-o e vindo parar no século 21!

Desesperados, Ian e Sofia terão que vir para os dias atuais tentar resgatar Elisa, e é aí minha gente, que a confusão começa!

Toda a dificuldade que Sofia passou em Perdida para conseguir se adaptar ao século 19 acontece agora com Ian, e é muito divertido vê-lo encantado com o chuveiro elétrico, com o famoso banheiro que Sofia tanto deseja e com a forma bem íntima que os amigos de Sofia o tratam!

Aliás, é uma delícia a parte ver o entrosamento e a amizade entre Ian e Rafa (noivo de Nina) se desenvolvendo durante o desenrolar do livro.

Como nada é tão ruim que não possa piorar, conforme os dias vão passando seu tempo vai se esgotando, e quanto mais tempo Ian passar longe de sua época, mais suas memórias vão se apagando e ele vai aos poucos deletando acontecimentos importantes de sua memória,e o pior, apagando Sofia de suas lembranças e de sua vida!

O livro é todo narrado por Ian, o que é um sopro de novidade muito gostoso na trama.

Durante todo o livro Ian tem alguns importantes flashes de momentos inéditos para nós leitores, como detalhes do seu casamento e sobre o nascimento da filha deles, o que torna a leitura completamente nova e não apenas uma mesma história contada por um diferente ponto de vista, sabe?

Carina Rissi não deixa de surpreender mais uma vez com seu incrível dom de escrever livros grandes que não incomodam nem um pouco por seu tamanho, não deixando nunca a “peteca cair” e a leitura se tornar maçante.

Todas as trapalhadas que costumam cercar Sofia estão lá, a leitura é muito divertida e leve.

Recomendo muito a “Série Perdida”, quem curtiu os dois primeiros livros certamente irá se apaixonar pelas memórias secretas do Sr. Clarke! ;)

Agora é aguardar ansiosamente o lançamento do próximo livro da série, que terá um enfoque ainda maior em Elisa.


Beijinhos,
Alice