sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Vale a pena assistir: The Duff



Título Original: The DUFF

País: EUA

Gênero: Comédia

Duração: 101 min

Diretor: Ari Sandel

Ano: 2015

Elenco: Mae Whitman, Ken Jeong, Bella Thorne, Robbie Amell









Um dos meus passatempos preferidos sempre foi “garimpar” filmes desconhecidos.

Adoro os super lançamentos, mas sempre curti ficar um tempão nas locadoras de vídeo escolhendo algo que ainda não tivesse ouvido falar.

Hoje em dia não loco mais filmes, mas a mania de procurar filmes novos não me abandonou, só que agora faço isto na internet ou Netflix, por exemplo, e foi em uma destas minhas buscas que encontrei “The Duff”.

Nunca tinha visto trailer dele e nem lido a respeito, mas gostei da sinopse e resolvi apostar, e foi um acerto muito divertido!

O filme conta a história de Bianca, uma garota comum de dezessete anos que está no ensino médio e não é conhecida por ser muito sociável e nem gostar muito de festas.

Uma noite, porém, suas duas melhores amigas conseguem convence-la a ir a uma festa onde o garoto por quem Bianca tem uma paixão platônica certamente estará.

Durante a festa, Bianca encontra Wesley, o cara mais gato da escola e que também é seu vizinho, e em uma conversa ele acaba dizendo que Bianca é uma Duff, aquela garota que é a amiga mais feia de um grupo de meninas lindas e serve de intermédio para que os caras consigam ter informações sobre quem eles realmente estão afim.

No início Bianca fica irada com ele, mas quando decide mudar seu estilo e sua personalidade para que enfim consiga conquistar o cara que ela tanto quer, para quem ela pede ajuda? O próprio Wesley é claro!

O filme é muito engraçado, obviamente já passei da idade, mas AMO comédias românticas adolescentes!

The Duff é quase uma misturinha de “Meninas Malvadas”, “Ela é o cara” e “Ela é Demais”, mas tem algumas mudanças bacanas que o tornam bem original e usa de artifícios mais atuais como ciberbullying para mostras as enrascadas que Bianca se envolve do decorrer da história. 

Recomendo para quem está afim de um passatempo divertido, não espere um super enredo ou atuações dignas de um Oscar, mas os atores são bons, principalmente o casal principal.

Você basicamente logo descobre qual será o final, mas isto não deixa o filme menos delícia de se assistir!


Depois de assisti-lo fui pesquisar mais sobre ele e acabei descobrindo que é uma adaptação do livro que trás o mesmo nome, escrito por Kody Keplinger e é um livro YA super queridinho nos Estados Unidos. 

Ele ainda não foi publicado no Brasil, embora a editora Novo Século tenha adquirido seus direitos.


Aí vai o trailer pra você dar uma espiada no filme



Espero que tenham gostado da dica, se você já assistiu ao filme, ou leu o livro em inglês, me conta aqui!


Beijinhos

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Resenha: A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

Título Nacional: A Rainha Vermelha

Título Original: Red Queen

Autora: Victoria Aveyard

Editora: Seguinte

Edição: 1ª edição

Número de páginas: 422 páginas

Ano: 2015
Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe — e Mare contra seu próprio coração.

Quando li a sinopse de “A Rainha Vermelha” foi amor à primeira vista.
Achei a premissa incrível, adoro distopias, e fiquei realmente empolgada em ler o livro.
No meio de uma conversa entre um grupo de blogs literários amigos, surgiu a ideia de fazermos uma leitura coletiva, aonde alguns de nós iríamos ao mesmo tempo, ler o mesmo livro e posteriormente, postar a resenha dele no mesmo dia.
O livro escolhido foi este, “A Rainha Vermelha”, e hoje vou contar pra vocês, qual foi minha opinião sobre ele.


Mare é uma garota de 17 anos que não terá um futuro promissor.

Ela é uma Vermelha, sua existência serve somente para fazer trabalhos inferiores e servir aos Prateados, isso se tiver sorte. Se você é um Vermelho e ao completar 18 anos não é aprendiz de algum ofício que possa ser útil aos prateados, fatalmente você irá para a guerra.

Mare já está conformada com seu destino, passa os dias cometendo pequenos furtos por volta de seu vilarejo para tentar de alguma forma ajudar seus pais e sua irmã mais nova, até o dia em que completará 18 anos e terá o mesmo destino que seus três irmãos mais velhos, o Exército.

Os Prateados são considerados pessoas superiores, vivem em uma realidade totalmente oposta à dos Vermelhos, suas residências são maravilhosas, esbanjam luxo e riqueza, e tudo por um simples fato, eles tem poderes.

A sociedade dos Prateados é dividida por “Casas”, por exemplo, os descendentes da Casa Rhambos são os chamados “Forçadores”, eles tem como habilidade uma força sobre-humana; já os descendentes da Casa Welle são os Verdes, que tem o poder de manipular a natureza, com um simples toque podem fazer florestas inteiras crescerem.

Quando Mare é misteriosamente convocada para trabalhar como criada no Palácio e servir diretamente ao Rei, aos seus dois filhos e à Rainha, a garota mal tem tempo de se acostumar com seu novo emprego, já que no primeiro dia, durante um grande evento onde todas as Casas enviaram uma garota representante para a seleção da qual sairá a escolhida para casar com o Príncipe mais velho, Cal, futuro Rei, acontece um incidente desastroso, e diante de uma multidão de Prateados, Mare descobre que também tem poderes.

Esta parte do livro é uma das minhas preferidas, as Casas mostrando seus incríveis poderes e Mare descobrindo que mesmo sendo uma Vermelha tem poderes também, é incrível!

Diante desta nova realidade, Mare terá que além de lidar com um poder até então desconhecido, obedecer ao Rei e conviver com estas pessoas que ela tanto odeia, fingindo ser alguém muito diferente de quem ela realmente é.

“A Rainha Vermelha” é um livro empolgante, em muitos momentos senti um pequeno Déjà Vu de outras séries distópicas, como “Jogos Vorazes” e “A Seleção”, mas foi uma mistura que me agradou.

Demorei um pouco para me encantar com a leitura, ao mesmo tempo em que de cara já fiquei totalmente envolvida pelo cenário e principalmente pela parte de fantasia do livro, os personagens principais e a protagonista não me convenciam, não conseguia criar uma empatia pela Mare, e isso aconteceu somente lá pelos últimos quatro ou cinco capítulos do livro.

Aliás, o livro é dividido em Vinte e oito capítulos mais o epílogo, todos são curtos e narrados em primeira pessoa pela protagonista, a escrita da autora é fácil e fluiu muito bem para mim.

É uma leitura recheada de traições e lutas com alguns momentos de romance, mas este realmente não é o foco principal do livro, pelo menos não deste primeiro.

Um dos pontos que mais me prendeu à leitura foi o fato de nunca sabermos com certeza quem é bom e quem é ruim, os personagens tem em sua maioria personalidades ambíguas, a todo o momento a história dava uma reviravolta e tudo mudava, o final te deixa maluco para saber o que acontecerá depois, fazendo o leitor morrer de curiosidade até o segundo livro ser publicado.

Se os boatos se confirmarem, o segundo livro, “Glass Sword” será lançado em fevereiro de 2016 nos Estados Unidos, podendo ser um lançamento mundial simultâneo (estou na torcida, de dedinhos cruzados desde já).

Super recomendo o livro pra quem é fã de distopias e fantasia.

Quer saber a opinião dos outros blogs que participaram da leitura do livro no “Projeto Leitura Coletiva”?
Clica nos nomes dos blog abaixo que o link irá direcioná-lo direto ao blog para você conferir outras opiniões sobre “A Rainha Vermelha”!

Confesso que eu estou curiosíssima para ler as resenhas deles!






      


Me conte nos comentários se você já leu o livro ou se quer lê-lo!

Beijinhos   

domingo, 23 de agosto de 2015

TAG Minha Semana Em Livros

E mais um domingo chegou trazendo com ele outra TAG bacana para eu responder aqui no bloguinho! :)

Já faz algum tempo que vi esta Tag no blog  Duas Leitoras e achei-a super divertida, logo foi pro meu caderninho para um dia respondê-la também!

Bora ver minhas respostas?

Domingo – Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse.


Esta é aquela velha história do “nossa, estou amando tanto este livro, não quero que termine, mas não consigo parar de ler!” não é mesmo?

Um dos livros que mais me deixou triste com o fim e que eu tive a sensação de que poderia ter tido umas 100 páginas a mais para não ter um final corrido foi “A Escolha”, último livro da trilogia “A Seleção”.
Ok, eu sei que não é mais uma trilogia e sim uma série, maaaaaas, “A Herdeira” não me levou de volta ao mesmo universo de “A Seleção”, pra mim são histórias distintas.


Segunda – Um livro que você tem preguiça de começar.


É até uma vergonha assumir isso, mas o livro que mais tenho preguiça de começar é um dos que mais quero ler da minha estante!
Faz sentido? Nenhum, obviamente!
Mas o fato de “Battle Royale” ter 662 páginas é o principal fator para esta preguicinha feia não ter ido embora ainda.


Terça – Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação.


“Vinte Garotos no Verão”, certamente!
Que livro entediante! Me dava sono, me dava coceira, me dava fome, e eu não terminava ele! Por fim, terminei, mas foi demorado.


Quarta – Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento.


Estou lendo “No mundo da Luna” já faz quase dois meses!
Deixa eu explicar, comecei a leitura uns dias antes da maratona literária, aí deixei ele de lado por um mês para a maratona.
Começou agosto, retomei a leitura dele, mas logo surgiu um novo projeto para o blog, onde junto com outros blogs literários fizemos uma leitura coletiva de outro título.
Acabei a leitura do projeto ontem, ou seja, ainda estou no mundo da Luna, mas desta vez vou até o fim! ;)


Quinta – Um livro de quinta. Um livro que você não recomenda.


Polêmicaaaaa!

Sei que é um livro amado por muita gente, mas ta aí um livro que não me convenceu.
Os personagens não me conquistaram e pra completar, odiei o final. 


Sexta – Um livro que você quer que chegue logo (lançamento ou compra).


Esta resposta é altamente influenciável pelo fato de eu ter terminado a leitura de “A Rainha Vermelha” ontem!
Pra mim é muito sofrido começar uma trilogia ou série sem que todos os livros da mesma tenham sido lançados, então, é com o coração apertadinho que já estou contando os meses para fevereiro chegar e nos trazer com ele “Glass Sword”.


Sábado – Um livro que você quis começar novamente assim que ele terminou.

“Mentirosos”, sem dúvida!

Quis reler para tentar “pescar” todos os momentos em que a autora nos dava pistas do que tinha acontecido de tão misterioso na ilha. Sensacional!


Gostaram das minhas escolhas? Me contem aí se concordam ou discordam delas!

Beijinhos

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Resenha: Música da Alma - Katie Ashley


Título Nacional: Música da Alma

Título Original: Music of soul

Autora: Katie Ashley

Editora: Editora Pandorga

Número de páginas: 208 páginas

Ano: 2015

Coleção: Runaway Train – livro 2.5 edição especial


 Sinopse: Em Música da do coração, uma reviravolta no destino faz com que Abby Renard acabe na cama do mulherengo Jake Slater. Essa pequena faísca, que acende um fogo incontrolável no improvável casal, culmina num amor profundo e intenso.
Depois de um longo noivado e um ano de expectativa, eles finalmente decidem ir para o México e se casar em uma praia particular, seguida de uma lua de mel aquecida pelas belezas de um cenário paradisíaco.
Mas, nem tudo são flores. Após o retorno à vida real de longos passeios e composições musicais a dois, Abby começa a perceber que talvez não seja realmente o porto seguro de que Jake precisa.
Conseguirão eles equalizar essa nova parte da canção e fazer durar o relacionamento? Ou será que as pressões do casamento farão desmoronar definitivamente esse amor?
Esta resenha conterá spoilers dos primeiros livros da série, então, se você ainda não os leu e quer ler, fica a seu critério lê-la abaixo, ok!?
Gosto muito da série Runaway Train, muito mesmo!

Li o primeiro livro ainda em inglês quando não tinha sido lançado no Brasil e já me apaixonei de cara!

Depois, quando foi lançado por aqui, fui correndo comprá-lo para tê-lo na minha estante e poder lê-lo novamente.

Com o segundo livro foi a mesma coisa, me apaixonei pela história de AJ, o baterista mais lindo, sexy e amoroso de todos os tempos!

Então, quando lançaram esta edição especial da história do primeiro livro, onde eu poderia novamente mergulhar no romance de Abby e Jake, fiquei obviamente bastante empolgada e fui correndo ler.

Mas infelizmente, não caí de amores por ele como nos livros anteriores, e vou contar pra vocês o porquê.

O livro começa nos mostrando os dias que antecedem o casamento de Abby e Jake.

Já no primeiro capítulo começam as cenas de sexo, mal temos tempo de mergulhar direito na história antes de começarem “a ação”.

Não me entendam mal, sei que é um romance erótico, não tive problemas com isso nos primeiros livros, pois as cenas faziam sentido e eram bem inseridas no enredo, mas neste livro não aconteceu o mesmo.

Os dois casam, vão para uma ilha deserta em lua de mel, e vocês já podem imaginar o que acontece né!? Sim, mais sexo.

Lá mesmo na ilha, durante a lua de mel, eles têm sua primeira grande briga como casal, e é aí que senti que a história realmente estava começando, o enredo se formando com uma problemática bem interessante.

Foi bacana ver Abby um pouco diferente neste livro, ao mesmo tempo em que ela continua uma garota madura e forte, comete erros como toda garota de 23 anos, me pareceu um pouco mais “gente como a gente” sabe, não uma semi santa que perdoa tudo e faz tudo certinho, o que vamos combinar, é uma chatice né!

Temos uma Abby confusa e dando umas mancadas e um Jake que precisa aprender a lidar com este outro lado de sua agora esposa, e para isso, precisa se manter focado e responsável, coisas que sabemos serem bem difíceis para ele.

O livro é bacana, é legal ver um pouco mais sobre o que aconteceu com personagens que gostamos, mas o excesso de sexo peca fortemente, deixando a leitura cansativa.

Outro ponto que me incomodou bastante foram os erros de correção que são bem frequentes no livro, chegando a existir até na sinopse da contracapa!

Se eu acho que valeu a pena? Valeu, não me arrependi de tê-lo lido, mas nem se compara aos dois primeiros volumes da série.
Até fiquei em dúvida se postava esta resenha ou não, mas não acho legal falar apenas de livros que gostamos, eu ao menos gosto de saber também de opiniões negativas sobre alguma obra.

Irei certamente ler o quarto livro quando for lançado, prefiro focar nos primeiros que foram ótimos e esperar que os próximos sejam tão bom quanto eles.

Você já leu Música da Alma? Se sim, me conta o que achou, vou adorar saber!

Confira as resenhas dos livros anteriores da série:



Beijos

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Dica de Seriado - Scream


Todo mundo aqui já sabe que eu amo terror, né?

Pois bem, fui uma adolescente dos anos 90, curti muito a época que em que o cinema voltou a apostar em slashers movies, filmes onde um psicopata misterioso persegue suas vítimas, geralmente jovens e bonitos.

Assisti nos primeiros dias de estreia no cinema filmes como “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado”, “Lenda Urbana”, “Halloween H20”, “A Bruxa de Blair” e é claro, Pânico.


Como sou uma pessoa muito nostálgica, fiquei muito animada desde quando saíram as primeiras notícias de que a MTV lançaria uma série baseada na franquia de Pânico.


Já estou no sexto episódio (a primeira temporada tem dez episódios) e estou curtindo bastante, mas só depois que a segunda temporada foi confirmada que eu achei bacana vir dar esta dica de série pra vocês, já que a minha querida e agora tão prematuramente saudosa “The Returned” que eu já comentei aqui, foi infelizmente cancelada.

Scream se passa na cidade de Lakewood, onde acontece um crime brutal que faz toda a comunidade voltar a lembrar de uma série de assassinatos que ocorreram no passado. Será um novo serial killer se inspirando nos crimes antigos?

Um grupo de jovens tenta desvendar estes mistérios enquanto são basicamente caçados um a um, em uma trama onde todos mentem, inimigos se passam por amigos, e qualquer um pode ser o assassino.


A série não dá medo, mas é legal tentar descobrir quem está por trás de tudo, não sei se a ideia é fazer um final parecido com Pânico, espero que seja diferente!

Para quem ainda não viu aí está o trailer, a MTV Brasil ainda não exibe os episódios, mas eles são facilmente encontrados com legenda para download no Google.




Espero que tenham gostado da dica de série, se você já assistiu, me conte aí o que achou!





Beijos