quarta-feira, 10 de junho de 2015

Resenha: Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven

Título Nacional: Por Lugares Incríveis

Título Original: All the Bright Places

Autora: Jennifer Niven

Editora: Seguinte

Páginas: 336

Ano:2015














Sinopse: Dois jovens prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver.
Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

Preciso começar dizendo o quão difícil para mim foi começar esta resenha.

 Quando um livro consegue me tocar tão profundamente como aconteceu com Por Lugares Incríveis, sinto que não existem palavras que eu possa dizer ou escrever que consigam expressar tudo que senti durante a leitura e o tanto que ela modificou minha vida. Pode parecer exagero, mas já encontrei durante minha vida alguns livros que causaram tanto impacto em mim que sim, me modificaram de alguma forma, e este é um deles.

Violet tinha a vida que toda adolescente sonha, era bonita, inteligente, popular, e namorava o jogador de futebol mais cobiçado da escola.

Depois de sofrer um acidente de carro que acaba vitimando sua irmã mais velha, Violet perde o foco de tudo em sua vida, dominada pelo sentimento de culpa, ela simplesmente sobrevive dia após dia sem conseguir achar um caminho de volta à vida que tinha.

Finch é o oposto de Violet. Sempre fala e faz o que pensa e sente vontade, não se enquadra em nenhum estereotipo ou grupo da escola e por isso é chamado por todos de aberração. Porém, ser assim tão diferente é também um grande motivo de solidão, o que faz com que os poucos amigos que Finch tem, não percebam que seus sumiços por longos períodos não é apenas mais uma de suas excentricidades, e sim, resultado de anos de depressão que ele tem enfrentado sozinho.

Com duas histórias de vida tão diferentes, Violet e Finch acabam se encontrando no alto da torre da escola, os dois com pensamentos suicidas e sem conseguir ver solução para seus problemas. Ao conseguir fazer Violet desistir de pular, Finch sobrevive a mais um dia, sem saber que ali acabara de encontrar seu tão procurado motivo para viver.

Depois de terem se aproximado diante desta circunstância tão peculiar, os dois precisam fazer um trabalho em dupla, onde devem visitar lugares incríveis do Estado onde vivem, Indiana.

"Cada dia um escolhe um lugar, mas também devemos estar dispostos a ir aonde a estrada nos levar, o que inclui lugares grandiosos, pequenos, bizarros, poéticos, bonitos, feios, surpreendentes. Como a vida. Porém, absolutamente, incondicionalmente e decididamente nenhum lugar comum."

A narrativa do livro é em primeira pessoa alternada entre os protagonistas, o que já disse aqui algumas vezes, é meu tipo preferido de narrativa, nos envolve muito mais e nos possibilita conhecer mais os personagens.

Durante o trabalho da escola que eles chamam de “andanças” Violet e Finch vão crescendo, suas personalidades afloram de uma maneira tão natural e tão fluida para o leitor que fica impossível largar o livro.

A autora tem o dom incrível de transformar sentimentos densos em palavras, durante toda a leitura eu sentia a dor e a angústia que a depressão de Finch causavam nele, seu desespero em querer viver, querer não se sentir assim e não conseguir melhorar.

“É como se meus pensamentos acelerassem tanto que eu não conseguisse acompanhar meu próprio cérebro. Palavras. Cores. Sons. Consigo ouvir tudo, mas não só ouvir...sentir também. Mas pode vir tudo de uma vez...os sons viram luz, e a luz fica muito brilhante, e é como se me partisse em dois, e aí vem a dor de cabeça (...). Você está bem agora? – pergunta Violet.
Olho para ela longamente, conheço a vida bem o suficiente para saber que não podemos acreditar que as coisas vão ser sempre iguais, não importa o quanto a gente queira. Não podemos impedir que as pessoas morram. Não podemos impedi-las de ir embora. Não podemos impedir nós mesmos de ir embora. Me conheço bem o suficiente pra saber que ninguém consegue me manter acordado ou me impedir de dormir. Tenho que fazer isso sozinho. Mas, cara, como gosto dessa garota.- Sim – respondo. – Acho que estou.”
Ao mesmo tempo em que sentia Finch se perdendo cada vez mais dentro dele, sentia Violet renascendo com o amor de Finch, com a forma que ele sempre encontrava de fazê-la superar seus medos e incentivá-la a querer viver.

Por Lugares Incríveis é uma história sobre auto-conhecimento, vida, morte, superação e depressão, e certamente irá te tocar por algum destes motivos.

O livro entrou para a lista de favoritos da vida, então além das 5 estrelinhas aqui do blog, leva o coraçãozinho também.


Ps: A adaptação cinematográfica do livro já está confirmada, mas ainda sem nada divulgado sobre as gravações ou data de lançamento, a única notícia certa é que Violet será interpretada por Elle Fanning.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Olá!
    Sou doido para ler esse livro. Fiquei impressionado com a quantidade de resenhas positivas que vi sobre ele. Com certeza é um livro que eu vou amar. Sei bem como é escrever resenha de um livro que gostamos muito, é bem difícil mesmo. Adorei a sua resenha!!
    Abraço!

    http://blogliterando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da resenha Vitor, sempre fico com a impressão que não fiz jus ao livro quando gosto muito dele. Leia logo que você não vai se arrepender!
      Abraço!

      Excluir