sexta-feira, 29 de maio de 2015

Wishlist do Mês - Junho de 2015

O mês de Maio ainda não acabou e já tenho minha wishlist de lançamentos de junho prontinha!
É sempre difícil escolher os livros mais desejados do mês pelo simples fato de que são vários títulos incríveis sendo lançados e como fica impossível ter todos (infelizmente) tento me ater aos livros que realmente me conquistam de cara por algum motivo.


Vamos dar uma olhada nos meus “eleitos” de junho?



A Menina Submersa: Memórias - Fantasia é meu tipo preferido de gênero literário, mas quando vi esta nova edição da Darkside foi amor à primeira vista, e decidi que nunca é tarde para gostarmos de algo novo não é mesmo? hehe


Sinopse: Com uma narração intrigante, não-linear e uma prosa magnífica, Caitlín vai moldando a sua obsessiva personagem. Imp é uma narradora não-confiável e que testa o leitor durante toda a viagem, interrompe a si mesma, insere contos que escreveu, pedaços de poesia, descrições de quadros e referências a artistas reais e imaginários durante a narrativa. Ao fazer isso, a autora consegue criar algo inteiramente novo dentro do mundo do horror, da fantasia e do thriller psicológico.





Beleza Perdida - História sobre superação, amor, amizade e com uma carga emocional forte é meu tipo de livro preferido, vocês já devem ter notado. Claro que ele não poderia ficar de fora desta lista.


Sinopse: Ambrose Young é lindo - alto e musculoso, com cabelos que chegam aos ombros e olhos penetrantes. O tipo de beleza que poderia figurar na capa de um romance, e Fern Taylor saberia, pois devora esse tipo de livro desde os treze anos. Mas, por ele ser tão bonito, Fern nunca imaginou que poderia ter Ambrose... até tudo na vida dele mudar. Beleza perdida é a história de uma cidadezinha onde cinco jovens vão para a guerra e apenas um retorna. É uma história sobre perdas - perda coletiva, perda individual, perda da beleza, perda de vidas, perda de identidade, mas também ganhos incalculáveis. É um conto sobre o amor inabalável de uma garota por um guerreiro ferido. Este é um livro profundo e emocionante sobre a amizade que supera a tristeza, sobre o heroísmo que desafia as definições comuns, além de uma releitura moderna de A Bela e a Fera, que nos faz descobrir que há tanto beleza quanto ferocidade em todos nós. 





Black Para Sempre - Faz algum tempo que estou de olho neste livro esperando seu lançamento em português, li a sinopse quando ele foi lançado lá fora e já fiquei super interessada. Finalmente irei lê-lo!


Sinopse: O primeiro livro gira em torno de Ellery, que sempre imaginou que seu futuro estaria ao lado de seu namorado perfeito e seus felizes para sempre estava garantido. Entretanto, quando ele faz suas malas e pede espaço, ela vê seu mundo ruir e decide focar somente em suas pinturas e desistir de relacionamentos, até que em uma noite ajuda um homem completamente bêbado a chegar a sua casa em segurança. Um homem que logo estará disposto a brigar por um futuro ao lado de Ellery e apoiá-la quando seu mundo estilhaçar novamente.








Música da Alma - Este livro foi lançado em Maio, mas não sei por que motivo, razão ou circunstância eu não fiquei sabendo disso e ele acabou aqui, na minha listinha de desejos de junho.
Amo a série Runaway Train (tem a resenha dos 2 primeiros livros no blog) e não vejo a hora de voltar a conviver com Abby e Jake.


Sinopse: Em Música da Alma, uma reviravolta no destino faz com que Abby Renard acabe na cama do mulherengo Jake Slater. Essa pequena faísca, que acende um fogo incontrolável no improvável casal, culmina num amor profundo e intenso. Depois de um longo noivado e um ano de expectativa, eles finalmente decidem ir para o México e se casar em uma praia particular, seguida de uma lua de mel aquecida pelas belezas de um cenário paradisíaco.

Mas, nem tudo são flores. Após o retorno à vida real de longos passeios e composições musicais a dois, Abby começa a perceber que talvez não seja realmente o porto seguro de que Jake precisa. Conseguirão eles equalizar essa nova parte da canção e fazer durar o relacionamento? Ou será que as pressões do casamento farão desmoronar definitivamente esse amor?


Gostaram das minhas escolhas? Estão aguardando algum destes livros também?


Beijos

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Resenha: Os 13 Porquês - Jay Asher

Título Nacional: Os 13 Porquês

Título Original: Thirteen Reasons Why


Autor: Jay Asher

Editora: Editora Ática

Páginas: 256 páginas

Ano: 2009













Sinopse: Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra um misterioso pacote com várias fitas cassetes.
 Ele ouve as gravações e se dá conta de que foram feitas por uma colega de classe que cometeu suicídio duas semanas antes. Nas fitas, ela explica que 13 motivos a levaram à decisão de se matar. Clay é um deles. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.

Os 13 Porquês nos trás um assunto muito polêmico que precisa e está sendo cada vez mais abordado na literatura, o suicídio.

Acho de grande valia qualquer forma de se abrir uma discussão sobre tabus como este, ou simplesmente fazer as pessoas refletirem mais sobre algo tão pouco falado, mas que acontece cada vez mais nos dias atuais, que é alguém se sentir tão desamparado, tão sem esperanças ao ponto de tirar a própria vida.

Este livro me tocou de uma forma bem mais profunda do que Reconstruindo Amélia (clique para ler a resenha dele aqui no blog) e aborda o mesmo assunto.

O livro começa com Clay encontrando um pacote destinado a ele, que contém 7 fitas enviadas por Hannah antes de morrer. Nas fitas, ela diz que 13 pessoas a fizeram chegar ao limite e decidir se matar, e se você recebeu as fitas, você é uma destas 13 pessoas, é um dos 13 porquês.

“Espero que vocês estejam prontos, porque vou contar aqui a história da minha vida. Mais especificamente, por que ela chegou ao fim. E, se estiver escutando estas fitas você é um dos motivos.” – Hannah

A cada fita que Clay terminava de ouvir, senti a dor de Hannah e também a dor de Clay que as recebeu por um motivo um pouco diferente das demais pessoas, as dúvidas que surgiam na cabeça do garoto que não entendia o porquê de Hannah considerá-lo um dos motivos para ter tirado a própria vida, já que eles se conheciam muito pouco, e nas poucas vezes em que conversaram ou estiveram juntos além da escola, ele não lembrava de ter feito algo de ruim para ela.

Descobrimos o porquê de Clay junto com ele, o que trás um tom de mistério para a leitura que te prende do início ao fim.

A forma que o Autor narra os acontecimentos através das fitas que Hannah deixa para é visceral e muito sincera, você sente ela se perdendo cada vez mais em problemas e situações que vão tirando sua vontade de viver, e saber que no final ninguém via, queria ou podia ajudá-la partiu meu coração em diversos momentos do livro.

As partes do livro que acompanhamos a narrativa em primeira pessoa pelo ponto de vista de Clay são igualmente angustiantes, senti as dúvidas dele e o desespero em se questionar se havia algo que pudesse ter sido feito ou dito que fizesse Hannah desistir desta idéia.

É uma leitura dolorosa e difícil embora a escrita do autor seja leve e fluida, em muitos momentos esquecia que estava lendo uma história e sentia como se fosse eu que estivesse escutando as fitas, ou seja, Jay Asher teve um poder incrível neste livro de me envolver por completo na leitura tornando-a assim uma experiência muito mais completa e densa.

Recomendo a leitura a todos, jovem que infelizmente convivem com o bullying diariamente e muitas vezes não sabem como agir diante dele e adultos, que já passaram por isso ou não, mas que com esta leitura, podem enxergar o suicídio por uma perspectiva diferente, entender que os motivos das pessoas decidirem por este fim é algo muito pessoal e íntimo, que a dor do outro nunca pode ser medida pela nossa dor.



quinta-feira, 21 de maio de 2015

TAG - 7 COISAS

Oi Gente!
O Vitor do Blog Literando me marcou na TAG 7 COISAS, que consiste em dizer sete respostar para cada pergunta feita.
Achei a ideia bem bacana para saber um pouco mais sobre coisas aleatórias dos nossos amigos virtuais da blogsfera!

Vamos às minhas respostas então!


1 - 7 coisas para fazer antes de morrer

- Ler o máximo de livros possíveis!
- Viajar muito!
- Conhecer todos os parques da Disney!
- Ter um filho (a).
- Fazer mais 2 tatuagens no mínimo
- Escrever um livro (não necessariamente publicar).
- Ir aos shows de todos meus músicos preferidos


2 - 7 coisas que mais falo

- To com sono
- To com fome
- Preciso deste livro
- Cadê o gato?
- Cadê o Noah?
- Oi Mãe
- O que vamos fazer hoje?


3 - 7 coisas que faço bem

- Cozinhar
- Animar as pessoas
- Jogar videogame
- Escolher lugares diferentes para visitar
- Escrever
- Saber assumir quando estou errada
- Ser organizada


4 - 7 coisas que me encantam

- Gatos
- Cachorros
- Mar
- Estar perto de quem me faz bem
- Ler em noites chuvosas
- Filmes de terror
- Ficar embaixo das cobertas em dias frios


5 - 7 coisas que eu não gosto

- Acordar cedo
- Dormir cedo
- Criar expectativas
- Pimentão
- Pessoas egocêntricas
- Filmes que algum bichinho morra
- Lavar louça

Não marquei ninguém para responder, mas se gostarem da Tag e quiserem fazer me contem que vou adorar ver as respostas!

 Beijos 

terça-feira, 19 de maio de 2015

Resenha: A Herdeira - Kiera Cass

Título Nacional: A Herdeira

Título Original: The Heir

Autora: Kiera Cass

Editora: Editora Seguinte

Número de páginas: 391 páginas

Ano: 2015

Coleção: Série A SELEÇÃO – livro 4














Finalmente estamos de volta à Illéa!

Acredito que assim como eu, muitos fãs da trilogia A Seleção ficaram se sentindo meio “órfãos” quando acabaram de ler o terceiro volume.

Finalmente soubemos que Max escolheu América para ser sua Rainha, mas o que aconteceu depois disso?

Pois finalmente, Kiera Cass acaba com nossa agonia e nos traz A Herdeira.




O livro começa vinte anos após o término de A Escolha, e nos deparamos com o Rei Max tendo que lidar com alguns problemas em seu reinado.

Depois de finalmente conseguir abolir o sistema das castas e os ataques dos rebeldes, a população que a princípio sentiu-se feliz e satisfeita com essa nova situação, não consegue lidar com a falta de limites que a abolição das castas trouxe e permanece tentando criar barreiras e empecilhos para que não haja misturas entre os diferentes níveis sociais de antigamente.

Com a situação saindo do controle e trazendo novamente diversos tipos de ataques a várias cidades, Max decide tentar distrair o povo até que consiga pensar em uma solução para o problema, e me digam gente, existe uma distração melhor do que uma nova seleção?

Max e América tem 4 filhos, os dois mais velhos são um casal de gêmeos, mas como a princesa Eadlyn nasceu antes do irmão é ela a sucessora do trono, e é ela também, que terá que escolher entre os selecionados quem será seu futuro marido.

Eadlyn não gosta nada da ideia da seleção, acredita ser autossuficiente e totalmente capaz de reinar sozinha quando a hora chegar.

A princesa aceita a seleção com a condição de que, se no final não se apaixonar por nenhum selecionado, não será obrigada a se casar...e  Eadlyn fará de tudo para que seu plano de não deixar nenhum dos garotos se aproximarem dê certo!

Eadlyn não é uma personagem cativante, pelo contrário, durante 90% do livro eu a odiei, suas atitudes e até pensamentos são de uma garota egocêntrica, mimada e fútil, e isso não se justifica pelo fato de ter apenas 18 anos, já que seu irmão gêmeo Ahren é um fofo e muito mais pé no chão do que ela.

O livro é narrado em primeira pessoa pela Eadlyn, e fica claro que a Autora quis neste livro nos mostrar a princesa sendo esta garota fria e calculista para ir aos poucos desconstruindo sua personalidade, aliás, no final do livro já notamos várias diferenças em sua forma de tratar os outros e sentimos que o “muro” que Eadlyn construiu à volta vai finalmente cedendo.

Embora tenha sido meio decepcionante ver Max e América tão mudados, ele desanimado e sem alegria de viver, e ela sem nenhum resquício da personalidade borbulhante e corajosa que aprendemos a amar ao longo dos livros, Kiera continua sabendo construir muito bem seus personagens, mesmo que não concordemos com as mudanças que ocorreram com eles.

Tenho 3 selecionados favoritos até agora, ou melhor, 2, já que um deles não foi selecionado e está no castelo por um motivo bem peculiar.
O final do livro deixa os fãs com o coração na mão e várias questões em aberto, é um daqueles momentos que você sente muita raiva porque sabe que terá que esperar muito tempo para ler a continuação.

Vocês já leram A Herdeira? Se sim, me digam se concordam com as minhas impressões sobre os personagens e se gostaram do rumo que Kiera deu aos personagens dos primeiros livros.

Beijos



Dou 5 estrelinhas para o livro, quase foi um favorito!